Sábado, 1 de Julho de 2006

Vive la France!

Só para dizer que odeio essa mania bacoca de que temos que torcer por equipas que vêm de países onde por acaso se fala português.

É difícil ser-se mais bimbo do que ter apreço palonço pelas ex-colónias.

Assim, depois de ver Portugal nas meias, nada me satisfez mais do que ver o Brasil a fazer as malas. Pode ser que assim se calem finalmente com os desejos de uma final Portugal-Brasil para ficarem dois países lusófonos nos dois primeiros lugares. Bimbos!
publicado por pedrocs às 23:33
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Junho de 2006

O ódio é imortal

O ódio não tem mexido.

Naturalmente, as pessoas aproximam-se, dão-lhe com a biqueira do sapato e o gajo: moita carrasco.

Isto leva a populaça à conclusão óbvia: 'tá morto.

Mas desenganem-se. O ódio é imortal. O tempo e o espaço são infinitos. O ódio, também.

Hoje quero falar-vos do ódio pelo mundial de futebol. O mundial de futebol trás ao de cima o que de mais bimbo existe nesta crosta encarquilhada a que chamamos Portugal.
O país enche-se de bandeiras da Nação, o orgulho nacionalista vem ao de cima e os jogadores de futebol são apelidados de "heróis" e "resistentes", no fim de uma partida de bola, por toda a imprensa - unânime.
"Heróis?", penso eu, "orgulho nacional?", pergunto-me.

Onde estão, afinal, os verdadeiros heróis? Aqueles que se dão, altruisticamente, a tudo e a todos, por uma causa. Por um país, uma independência, uma liberdade, ou mesmo uma pessoa.

Jogadores de bola não são heróis. Não se dão. Vendem-se.

Os heróis não se fazem pagar, não são egoístas, não são vaidosos. São também um bocado idiotas e acabam quase sempre mortos. Mas são heróis.

E o orgulho pela nação? Onde está escondido nos dois anos de intervalo entre europeus e mundiais de futebol? Onde pára, afinal, tamanha dedicação à nossa pátria quando é preciso trabalhar, melhorar, evoluír, educar, progredir, civilizar? Não existe.

É um falso orgulho. Os portugueses não têm orgulho em ser portugueses, como, por exemplo, os americaos têm em ser americanos. Lá, as bandeiras esvoaçam às portas, todos os dias. É foleiro, é piroso... é perigoso. Mas é mais real do que hastear um estandarte nacional mal desenhado (aquilo são castelos ou pénis amarelos?), dois meses, de dois em dois anos, na porta de trás do Fiat Punto.

Sejamos honestos: ou se é por Portugal sempre, ou então invente-se uma bandeira qualquer para a selecção nacional, para que não se confunda futebol com o país.

Ou então, talvez esteja errado. Talvez este país seja apenas... futebol.
publicado por pedrocs às 11:11
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Vive la France!

. O ódio é imortal

.arquivos

. Novembro 2009

. Maio 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds