Terça-feira, 14 de Setembro de 2004

Odeio a retoma

Estamos a atravessar uma grave crise económica. Isto, é o que toda a gente já ouviu pelo menos uma vez, da boca de um qualquer daqueles palhaços sem graça que são os dirigentes do nosso país.

A coisa foi verdadeiramente por água abaixo em 2001 e a partir daí só se ouve falar na crise. Só na crise? Não... ouvimos também falar na retoma. Mas a porra toda é que se "estamos a atravessar uma grave crise económica" por um lado, por outro "a retoma já se faz sentir".

Já se faz sentir quando? De três em três ou de quatro em quatro meses. E nós esfregamos as mãos, sentimos uma pontinha de opimismo e lá vamos trabalhar mais uma semanita pensando sempre "epá, bestial! a retoma já se faz sentir!".

No fim de 2001 a coisa estava mesmo má, mas a retoma estava ao virar da esquina, talvez lá para 2002 as coisas estivessem melhores. Mas em 2002 continuámos "em crise", mas no fim do ano a retoma já se fazia sentir... e tem sido assim sucessivamente até 2004, que já se dava como "o ano da retoma". Afinal, agora que 2004 começa a esgotar-se, já começamos a ler nos jornais que "retoma provavelmente só para 2006".

E depois, como se não nos bastasse andarmos a ser embarretados pelos nossos governantes que, apesar da inacreditável crise que atravessamos, continuam todos cheios de narta e continuam todos com interesses em grandes empresas que produzem lucros astronómicos trimestre após trimestre, vem aquela aventesma do Bagão Félix explicar-nos que o orçamento do país é como o orçamento das nossas casas e que não podemos gastar mais do que o salário patético que temos.

Ah! Então afinal era isso! Então afinal para se ser ministro das finanças não é preciso ser-se um gajo bem entendido em finanças, porra! Então... eu até me safo bem, pago as contas, pago a renda, pago os meus impostos e almoço fora todos os dias e no fim do mês ainda me sobra para ir até ao cinema e meter gasolina no carro, portanto... EU DEVIA ERA SER MINISTRO DAS FINANÇAS!

Porque se eu consigo gerir o orçamento da minha casa, consigo gerir o orçamento do país, afinal... é a mesma coisa!

E o pateta até tem razão, senão vejamos... uma das principais coisas com que temos cuidado quando gerimos o orçamento da nossa casa é não gastar demasiado dinheiro em coisas supérfulas como, digamos, carros de luxo, dezenas de guarda-costas e... oh, sei lá... SUBMARINOS?!

Eu nunca comprei um submarino cá para casa, deve ser por isso que nunca falhei um pagamento da renda e ainda não tive que ir viver para debaixo da ponte.

Odeio a retoma, porque a retoma não existe... A retoma nunca vai existir. A retoma é a cenoura à frente do burro e convençam-se, meus amigos... os burros, somos nós.
publicado por pedrocs às 08:02
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 15 de Setembro de 2004 às 07:52
Ser pago para fazer isto... ora aí está um sonho digno!macacoraivoso
(http://odio.blogs.sapo.pt)
(mailto:macacoraivoso@sapo.pt)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 18:00
E permite-me que sugira uma quarta medida: assessores de imprensa que leiam e sigam os conselhos gratuitos na blogosfera. Ah... e uma quinta: que os editores de blogs passem a ser pagos como assessores de imprensa...

Vá lá, não faz mal sonhar, pois não? :-))

http://ditocujo.weblog.com.pt/Dito Cujo
(http://ditocujo.weblog.com.pt/)
(mailto:ditocujo@gmail.com)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 12:33
SiM! Primeira medida: aumentar o meu salário, segunda medida, mudar a lei para que o ministro das finanças tenha direito à reforma aos 32 anos, a 100% do salário no ano da reforma, com actualizações de 150% anuais. Terceira medida: trabalhar um ano e reformar-me.macacoraivoso
(http://odio.blogs.sapo.pt)
(mailto:macacoraivoso@sapo.pt)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 11:06
Conclusão: MacacoRaivoso para ministro das finanças!!Descompensado
(http://oilegal.blogspot.com)
(mailto:jovem_descompensado@hotmail.com)
De Anónimo a 14 de Setembro de 2004 às 09:01
... E que fazer? Se somos mesmo burros... Alguém
</a>
(mailto:mmrg@clix.pt)

Comentar post